O real valor gerado pelas unidades lógicas

Para adotar uma tecnologia, um gestor precisa ver valor nela. Caso contrário, não faz sentido investir recursos financeiros para implementá-la no ambiente corporativo.

Uma tecnologia pode gerar valor por meio, por exemplo, da elevação da produtividade da equipe, da melhoria da segurança de seus dados, da redução de despesas operacionais, do aumento do ganho de vantagens competitivas, etc.

Nos últimos anos, uma das abordagens tecnológicas que vem gerando muito valor para as organizações que as adotam é a da unidade lógica.

Essa é uma espécie de ponte, que liga dados dispersos, armazenados em bancos de dados diferentes. Por meio dela, as buscas por informações específicas se tornam muito mais rápidas. As unidades lógicas também tornam os dados mais seguros e evitam violações massivas de dados.

Mostraremos a seguir os principais valores gerados pelas unidades lógicas, ‘coração’ do sistema de gerenciamento de dados K2View Data Fabric.

Maior agilidade e produtividade

A busca por informações específicas dispersas (como quantos produtos um cliente X comprou em cinco meses e quantos consumidores foram impactados por uma campanha de marketing, por exemplo) em lugares diferentes é muito complexa e demorada se realizada por meio de sistemas de gerenciamento de bancos de dados tradicionais.

Isso porque eles armazenam os dados com base no seu tipo, gerando tabelas de dados muito grandes, que precisam ser consultadas por meio de juntas complexas cada vez que um dado específico é solicitado.

Essa complexidade obriga a equipe a esperar um tempo maior para ter a informação de que precisa, o que impacta negativamente na sua produtividade. A abordagem de unidade lógica elimina essa complexidade, armazenando dados ‘logicamente’ em instâncias de unidade lógica.

Os dados (de clientes, campanhas de marketing, projetos, estratégias, etc.) permanecem armazenados nelas em pequenas bases de dados, o que possibilita que cada consulta seja feita em apenas algumas linhas das tabelas, em vez de em grandes tabelas de vários bancos de dados.

Isso resulta em um processamento mil vezes mais rápido do que a tecnologia de bancos de dados tradicionais, o que torna as buscas muito mais ágeis.

Possibilidade de personalização

Com a abordagem de unidade lógica, a empresa pode criar um esquema (que define a entrada de objetos associados a um tipo de unidade lógica) personalizado para atender às suas necessidades de pesquisas de dados, em vez de ajustá-las a uma estrutura pré-definida – como acontece com os sistemas tradicionais.

Essa personalização poupa tempo, recursos financeiros e também esforços da equipe.

Segurança elevada

Como dissemos anteriormente, a abordagem faz com que as informações permaneçam armazenadas nas instâncias em pequenas bases de dados. Cada instância é criptografada com uma chave diferente, para evitar violações massivas de dados.

E graças ao HEKS (Hierarchical Encryption-Key Schema), um algoritmo de encriptação hierárquica, o sistema de gerenciamento e os tipos de instâncias também são criptografados, o que aumenta ainda mais a segurança.

Isso obriga o usuário – gestor ou colaborador – a passar por, no mínimo, três chaves para acessar os dados de uma única instância de unidade lógica.

E mesmo que um cibercriminoso consiga a chave de uma instância, ele não poderá ter acesso às demais, já que cada uma possui sua própria chave. Isso reduz drasticamente as chances de uma violação massiva ocorrer e prejudicar a empresa.

Esses são os três principais valores gerados pelas unidades lógicas. Todos eles são muito importantes para a empresa ter seus processos simplificados, sua produtividade aumentada e não correr o risco de sofrer uma violação massiva de dados, fundamental para ganhar posição no mercado competitivo da atualidade.

Viu só quanto valor as unidades lógicas são capazes de gerar? Aproveite para conhecer outros recursos do sistema de gerenciamento de dados K2View Fabric que também podem gerar valor para sua empresa!

Deixe uma resposta