O que uma boa solução de mascaramento de dados deve prover?

À medida que o volume de dados cresce, aumenta a necessidade do processo de mascaramento de dados. A preocupação dos gestores em relação à sua segurança aumenta. Boa parte dessa preocupação é destinada à privacidade de informações altamente sigilosas, como os dados pessoais de clientes (como e-mail, endereço, CPF, número do cartão de crédito, etc).

Dados como esse precisam não só serem protegidos, como também mascarados. Isso porque eles são usados em testes de aplicações, processos de venda, Call Centers, treinamentos, etc, e não podem ficar completamente visíveis para os colaboradores.

O que o mascaramento de dados faz é criar uma espécie de espelho de cada dado. O processo origina uma versão estruturalmente semelhante de cada dado, de forma que a versão autêntica não fique visível para usuários não autorizados, sejam eles colaboradores, sejam cibercriminosos.

Mas para que o mascaramento seja bem executado, e mascare, de fato, os dados, é necessário contar com o apoio de uma solução confiável.

A seguir, mostraremos tudo o que uma boa solução de mascaramento de dados precisa prover.

Suporte ao Big Data

Atualmente, as empresas estão tendo que lidar com um enorme volume de dados. E a cada dia que passa, ele aumenta. O Big Data é responsável por tratar esse grande volume e repassar aos responsáveis apenas os dados que lhes são realmente úteis.

Esses dados úteis são muitos, e também crescem a cada dia. Uma boa solução de mascaramento de dados não deve impor limitações de escala e precisa suportar esse crescente volume de dados e também a velocidade na qual eles surgem.

E para isso, ela precisa contar com motores de processamento paralelo in-memory, que não têm nenhuma limitação de escala.

Somente assim a empresa poderá equilibrar a questão do crescente volume de dados com a da privacidade das informações.

Flexibilidade

Uma boa solução de mascaramento de dados não pode ser inflexível na questão da definição dos critérios de execução. Isso porque cada empresa tem uma base de dados diferente. E dependendo da sensibilidade de suas informações, ela pode querer mascarar todas, ou só as mais sensíveis.

Portanto, é a empresa quem deve definir os critérios de execução do mascaramento, e não a solução. Ferramentas inflexíveis, além de não atenderem às necessidades das organizações, também não geram o valor que elas precisam.

Rapidez no processo de mascaramento

Assim que um dado é gerado, ele deve ser mascarado imediatamente, ou pelo menos pouco tempo depois. Isso é importante para evitar que eles sejam roubados. Mas algumas soluções disponíveis no mercado não atendem à essa necessidade.

Elas levam dias para realizarem o processo, pois dependem de muito desenvolvimento e scripts complexos. O ideal é que a solução utilize a abordagem de mascaramento in-memory. Por meio da representação de dados em unidades lógicas, ela possibilita o mascaramento de dados em questão de horas.

Isso evita que os dados fiquem expostos por muito tempo após serem gerados.

Preservação da usabilidade dos dados

Se os dados mascarados não forem reconhecidos nas aplicações de destino, eles não terão nenhuma utilidade, e o mascaramento não gerará nenhum valor.

A solução de mascaramento precisa garantir que todos os dados estarão 100% utilizáveis em todas as aplicações de destino ao final do processo. Um número de cartão de crédito mascarado, por exemplo, precisa estar válido no sistema financeiro.

Continuidade operacional

O processo de mascaramento não deve interromper as operações da empresa. Isso porque isso impacta no trabalho dos gestores e colaboradores, reduz a sua produtividade e gera prejuízos para a empresa.

Uma boa solução realiza o processo de mascaramento enquanto os sistemas, tanto de origem como de destino, estão operando. E para isso, ela deve contar com a abordagem da unidade lógica.

Proteção em todas as etapas do processo

Algumas soluções de mascaramento disponíveis no mercado deixam os dados expostos em uma área de preparação por um curto período de tempo. Isso acaba os deixando expostos a ameaças internas e externas. E poucos segundos já são suficientes para uma violação de dados massiva ocorrer e gerar prejuízos incalculáveis para a organização.

O ideal é que a solução proteja os dados em todas as etapas do processo de mascaramento, para que riscos de exposição sejam eliminados. Ela também precisa ser protegida por SSL e oferecer uma chave para cada campo. Isso evita que uma violação massiva ocorra caso um campo seja desmascarado.

Aproveite para conhecer a solução de mascaramento de dados da KalTI, que oferece tudo isso. E se tiver ficado com alguma dúvida, entre em contato conosco!

Deixe uma resposta